Ecologização da Vida: o Estado ausente e passivo!!!

Agricultura Ecológica

Atualmente a agricultura ecológica no Brasil anda de mau a pior. Depois de 8 anos de governo Lula e mais 01 ano de governo Dilma, totalizando 9 anos de governo do Partido dos Trabalhadores, a agenda da segurança alimentar não passou de políticas e programas para combater a fome dos mais miseráveis. Pauta esta, que já é de grande e insuperável importância, no entanto, ainda continuamos sendo o pais que mais consome agrotóxicos (5 litros de agrotóxicos por pessoa/ano), que mais exporta grãos para ração animal, que tem relevante papel internacional na exportação de frango “bombado” de corte, além de tantas outras mazelas no mundo rural.

Nestes 09 anos, as políticas para a produção de alimentos ecológicos foram pífias, e quando realizadas com certa consistencia, foram feitas pelo Ministério da Agricultura (de controle dos latifundios e bla bla bla) e pelo Ministério de Desenvolvimento Social, pasmem, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (criado para atender as demandas e propor políticas para a agricultura familiar e camponesa) faz movimentos absolutamente insignificantes perto do que deveria ter feito.

Mas a questão é mais pra cima. Não vamos jogar pedra nos ministeriaveis e seus assessores, mas principalmente no chefge do poder executivo, a presidencia da republica e do seu partido. Assim,  a questão que devemos colocar é: quando é que os partidos vão incluir nas suas agendas políticas, pontos como a produção de alimentos ecológicos, o uso intensivo de bicicletas, a produção de combustíveis renováveis de base ecológica, entre outras questões que são emergentes e indispensáveis para um pais e um mundo mais humano, mais igualitário, com menos cancêr, com mais vida para todos.

Atualmente, quando no período eleitoral, o que mais conseguimos avançar, foi a incorporação das agendas do ambientelismo internacional, ou seja, a preservação de ecossistemas sem a presença humana. É ou não é um fracasso?

Lula como presidente do Banco Mundial?

Fernando Dantas

Em artigo no site do Financial Times, Gregory Chin, professor de Ciência Política da York University, no Canadá, propõe o nome de Lula para presidente do Banco Mundial, em substituição a Robert Zoellick, que está saindo (ironicamente, Lula certa vez chamou Zoellick, então representante comercial dos Estados Unidos, principal negociador de comércio exterior, de “sub do sub do sub”).

Chin, em seu artigo, mencionou o fato de que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu que o novo presidente do Banco Mundial não seja necessariamente de nenhuma nacionalidade específica, mas sim alguém competente e capaz. Para o articulista, Lula é o candidato ideal pela sua gestão competente da economia brasileira, pelo seu carisma, pelos laços que criou entre os países emergentes e pelo seu prestígio junto aos países ricos. Caso Lula não queira aceitar, por razões de saúde, Chin acha que deveria ser buscado alguém de perfil semelhante.

Artigo publicado no http://blogs.estadao.com.br/fernando-dantas/2012/02/17/lula-como-presidente-do-banco-mundial/

Desemprego caiiiiiiiiiinnnnnnndoooooooooo!!!!

É isso meus caros! Se o modelo de desenvolvimento brasileiro é este ou aquele, não é a questão (embora deveria ser), mas enfim, o desemprego no Brasil, segundo o IBGE, chega ao menor indice desde 2003. Isso significa: mais oportunidades, mais consumo, mais carros, mais gente com dinheiro no bolso, mais, mais, mais, felicidade. É isto!!! Esse é o calculo, ou melhor, esta é a fórmula que os governos por volta do globo terrestre buscam: mais emprego + dinheiro no bolso = felicidade.

Pois é, nos vemos cada vez mais enredados por esse cálculo que não quer nos largar. Isso mesmo: não quer NOS largar!!!

Fonte: IBGE, publicado na Folha de S. Paulo - 17/02/2012

Acho que já vi isso em algum lugar num passado muito recente!!!

Jovens espanhóis rebaixam currículos para conseguir emprego
Noticia publicada no site do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – ANDES-SN.

Para enfrentar a onda de desemprego provocada pela crise financeira que assola a Europa desde 2008, os jovens espanhóis estão omitindo informações em seus currículos, para conseguir vagas que pedem profissionais menos qualificados. É o que denuncia reportagem divulgada pela agência de notícias britânica BBC.
A Espanha registra o maior índice de desemprego na Europa (22,9%), seguida por Grécia (19,2%), Lituânia (15,3 %) e Portugal (13,6 %), segundo projeções da Oficina de Estatísticas do bloco regional (Eurostat). Entre os trabalhadores jovens, o índice é mais preocupante: 48,7% estão sem trabalho.
De acordo com a reportagem, a cada dia 10% dos jovens espanhóis mentem em seus currículos, deixando de lado informações sobre experiência profissional em cargos elevados e formação educacional, na expectativa de aumentar suas chances na disputa por uma vaga de emprego. O levantamento foi elaborado pela União Geral dos Trabalhadores, em parceria com consultoras e entidades sindicais.
A pesquisa indica que a maioria dos que escondem dados é de profissionais experientes do setor de serviços que estão mais de um ano sem emprego e de universitários recém-formados com alto nível de qualificação.
A mesma geração, nascida a partir de 1980, que hoje sofre com o resultado da crise gerada pela exploração do capital, é também considerada a que tem o mais elevado grau de educação do país, segundo a Pesquisa Nacional de População Ativa. Pelos dados oficiais, 39% dos espanhóis entre 25 e 35 anos tem diploma universitário, enquanto a média da União Européia é de 34%.
Outro reflexo da crise financeira na juventude Espanha é o aumento da imigração. De acordo com dados do governo espanhol, a dificuldade financeira já motivou a saída de 300 mil jovens do país, devido à falta de perspectivas no mercado de trabalho.
O estudo elaborado pela Fenac, órgão oficial espanhol, alerta para os riscos da perda de tão jovens, na sua maioria, jovens altamente qualificados. De acordo com os dados fornecidos pelo levantamento, “desde inícios de 2008 até ao final de 2011, aumentou em 25,6% o número de espanhóis maiores de idade residentes no estrangeiro”, o que em números absolutos se traduz em “307.900 pessoas em idade de trabalhar”.

A crise do capitalismo será o fim do mundo dos maias?

A crise na europa e nos EUA esta parecendo cenas de filme de ficção, onde uma crise econômica irá destruir o planeta, mas que na última hora aparece um mocinho/a para resolver os problemas e deixar um final feliz. Pois é, mas parece que o diretor do filme perdeu o tempo de entrada d@ mocinh@, e a coisa esta ficando realmente grave. No interior do capitalismo já é muito grave, embora tenhamos os pobres para consumir ainda. Siiim, os brasileiros e outros tantos pelo mundo afora E não nos esqueçamos que ainda tem uma africa inteira para democratizar e INCLUIR. Ou seja, para quem acredita no fim do capitalismo, uhm, não devemos apostar tanto nisso. A charge abaixo, deixa bem claro o que vem acontecendo na grécia. Então, não acreditemos que o fim do mundo como os maias imaginaram, virá do fim do capitalismo.

“A economia européia entra, em bloco, em recessão. Italia, Holanda. Belgica, Portugal, Espanha, já estão praticamente em recessão. Nunca, desde 1929, o capitalismo esteve tão desmoralizado, pelos danos que causa aos povos, vitimas de governos neoliberais.” – publicado no Facebook por Emir Sader, em 16/02/12.

Corte de 55 Bilhões no Orçamento Federal

Essa é a ultima do governo Dilma. Corte de 55 BILHÕES DE REAIS no seu segundo ano de governo. Segundo informações da Folha de S. Paulo, esta é uma garantia para que o MERCADO saiba que o Brasil poderá pagar se ocorrer um estouro nas contas federais. É isso meus caros!!! Governo é governo, como diziam as más linguas anarquistas. Quando era o PSDB, o griteiro e as manifestações ocorriam todo ano em função do famoso CONTINGENCIAMENTO. Agora com o PT, os contingencimantos vem a galope, diga-se de passagem com muito mais força e intensidade.

Pra que serve uma cadeira em brasília, se não é pra ter poder!!! zé fini!!!

A Hegemonia dos Automotores é um Crime contra a Vida

Andar de bicicleta é realmente uma tarefa de extrema periculosidade. Motoristas de carro, além de fingirem que as bicicletas não existem, ficam extremamente incomodados com estas coisas de duas rodas no seu território. E os pedrestes, como não poderia deixar de ser, além de andarem nas ciclovias, gostam de levar seus filhos para brincar nelas, e ainda ficam extremamente irritados quando tem bicicletas nas ciclovias, pois oras, bicicleta é algo lúdico, e não deveria andar por ai em certa velocidade e com uns marmanjos em cima delas.

O novo código de trânsito deveria ter instituido por lei: para retirar carteira de motorista, todos os condutores deverão ter pelo menos 20 horas de condução de bicicleta em vias públicas no centro das cidades.