DDT ainda é debatido vigorosamente!!!

Me lembro que quando criança, em fins da década de 70 e início da década de 80, viajando pelas estradas do interior do Paraná, quase que mensalmente, sentia, continuamente, durante 300, 400 km o cheiro de DDT  (nome comercial do  dicloro-difenil-tricloroetano). Eu me lembro do cheiro e do gosto até hoje (o gosto é porque, do olfato ele ia para o paladar). Era como se fosse um “perfume” no ar. Os mais antigos diziam que era o cheiro do progresso, da produção, do desenvolvimento chegando, de que era sinal de que trabalhava-se muito.

Quem diria. E os nossos netos vão dizer o que de nós? Que o cheiro da gasolina e o pó de minério em Vitória era visto como progresso e desenvolvimento?

Segue a matéria sobre aposentadoria para os aplicadores de DDT.

Ex-servidores da Sucam podem receber pensão vitalícia

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 3525/12, do Senado, que concede pensão  mensal de R$ 2,5 mil para os ex-servidores da extinta Superintendência de  Campanhas de Saúde Pública (Sucam) que contraíram doenças graves em decorrência  de contaminação pelo pesticida DDT.
O veneno era usado pelos empregados do  órgão no controle de insetos causadores de doenças, como malária e leishmaniose.  A pensão pode ser estendida aos dependentes dos ex-funcionários falecidos.

Correção da pensão
Segundo o projeto, o valor da pensão  será corrigido nas mesmas datas e pelos mesmos índices aplicados aos benefícios  pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A pessoa que tiver  direito à pensão não poderá acumulá-la com rendimentos ou indenizações que  venham a ser pagas futuramente pela União.

Entre as décadas de 1950 a 1970, o DDT foi largamente consumido no  mundo no combate a insetos vetores de doenças humanas e pragas da agricultura.  Seu uso passou a ser descontinuado depois que estudos mostraram que o composto  podia causar câncer e afetar o ecossistema.
No Brasil, a Sucam, principal  órgão de sanitarismo público entre 1970 e 1990, utilizou o produto, que era  borrifado nas residências. O uso prejudicou a saúde de centenas de  trabalhadores, que hoje possuem ações na justiça contra a União.

Tramitação
O projeto tramita nas comissões de Seguridade Social e  Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania,  em caráter conclusivo e em regime de prioridade.

Notícia retirada do Portal do Servidor Federal: http://www.servidorfederal.com/2012/10/ex-servidores-da-sucam-podem-receber.html#ixzz2Am19kaw6

Fernando Haddad e Marcio Pochmann: perfil de uma nova política no Brasil!!?

Com as candidaturas de Fernando Haddad (PT), em São Paulo, e de Márcio Pochmann (PT), em Campinas, começamos a visualizar um outro perfil de se fazer política. Somando-se a já presidente Dilma Roussef.

Ambos são dois quadros técnicos, mas com uma forte veia política, do PT, que se criaram produzindo e trabalhando nas universidades de SP, mas sempre atuando partidariamente.

Candidaturas construídas pelo ex-presidente Lula, foram avaliadas como inviáveis e impossíveis de convencer a população. Haddad saiu dos 4% e chegou aos 55% no segundo turno. Em 4 meses se transformou em um dos grandes fenômenos da política brasileira, ou como dizem: foi o segundo poste eleito no Brasil da era Lula!!!!!

A expectativa é que Haddad mude a forma de fazer política, assim como a Dilma tem se esmerado para fazer.

Se tudo seguir como pensado, por Lula, Haddad será o futuro governador de SP e o futuro presidente do Brasil em 2018. Aí sim estaremos adentrando em uma outra forma de fazer política.

Espero, sinceramente, que estes ares paulistanos sejam espraiados para todos os cantos do país. Que o Estado do Espírito Santo, seja agraciado com esta nova forma de fazer política. Que venham os novos tempos!!! É o que espero!!

O jeito de se fazer política em terras capixabas: a unidade faz a força!!!

Desde que adentrei em terras capixabas, a única coisa que ouço no mundo da política partidária, é o discurso da UNIDADE (a excessão dos partidos nanicos de esquerda, que defendem a quebra da atual hegemonia).

Nestas eleições municipais, em Vitória, o Paulo Hartung (PH) e o Casa Grande-e-Senzala, foram os nomes mais usados, citados, colados, referenciados, falados…enfim…

Os três candidatos mais votados na capital capixaba, Luciano Resende (PPS), Luiz Paulo (PSDB) e Iriny (PT), usaram e abusaram, principalmente, do nome e da foto de PH. Uma vergonha!!! Estratégia que apenas reforça o coronelismo e o tradicionalismo, que pautado pelo voto de cabresto, pela “quadrilhagem”, pela corrupção imperiosa, pelo método Gratziano de governar, impõe ao povo capixaba a ausência total e completa de um possível governante que minimamente não seja da quadrilha do consenso e da unidade.

Esta unidade que vence e se coloca no ES, mais uma vez joga para frente a possibilidade de tornar este estado em algo próximo do que imaginamos como democracia.

É com pesar que a democracia capixaba em mais uma eleição morre, mesmo sem nascer.

E viva a unidade em torno dos ganhos privados, dos esquemas fraudulentos e da política não-política. E viva a elite política capixaba!!! E viva Paulo Hartung e sua dinastia!!

Quem ganha com a vitória de Luciano Resende? A unidade em torno de PH, apenas isto. E quem esta em torno de PH? Todos os seres viventes do atual cenário político capixaba. Ou seja, nada muda, nada altera, apenas se transforma, em quê? É o que espero ver…embora já saiba a resposta.

Como se diz: “a união faz a força!!” A questão é para onde ela puxa!!!!???????? Pois aqui, não tem espaço para aquilo que não seja Unidade, Consenso e  Acordão.

Em dez anos, renda dos mais pobres cresceu 90%

Parcela mais pobre da população obteve maior melhoria acumulada, de 2001 a 2011

Nos últimos dez anos, entre 2001 e 2011, os 10% mais pobres do país tiveram um crescimento de renda acumulado de 91,2%, enquanto a parcela mais rica da população obteve nesse mesmo período um incremento de 16,6% da renda acumulada. Portanto, a variação do aumento de ganhos reais foi 5,5 vezes (550%) mais rápida para o décimo mais vulnerável dos brasileiros.

“Estatisticamente, em 2011 o Brasil atingiu o menor nível de desigualdade de sua história”, declarou nesta terça-feira, 25, o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, durante a coletiva pública de lançamento do Comunicado do Ipea nº 155 – A década inclusiva (2001-2011): Desigualdade, pobreza e políticas de renda. O estudo, apresentado por ele com a participação do técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto Pedro Souza, foi elaborado a partir da recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2011, divulgada pelo IBGE, complementado por dados inéditos até agosto de 2012.

Marcelo Neri afirmou que a renda em crescimento e a redução da desigualdade são o caminho que o Brasil tem feito desde 2003. Ele também destacou que o ajuste nominal do salário mínimo, programas sociais como o Brasil Carinhoso, Brasil sem Miséria, Minha Casa Minha Vida e outras políticas do governo federal atuam na mesma direção da melhoria da renda do trabalho. “Os brasileiros acham que estão em um país, os macroeconomistas, em outro. O que é mais importante para explicar a renda das pessoas se não a renda do trabalho?”, afirmou.

Desigualdade horizontal A pesquisa aponta que o combate à desigualdade horizontalizou melhorias de renda. Nesses dez anos, pessoas que vivem em famílias chefiadas por analfabetos tiveram 88,6% de aumento da renda, contra 11,1% de decréscimo para aquelas cujo chefe familiar possui 12 anos de instrução regular ou mais.

No Nordeste, a renda cresceu 72,8%, já no Sudeste, região mais rica do país, essa taxa foi de 45,8%. Entre aqueles que se consideram negros, o aumento de renda foi de 66,3%, e a população declarada como parda obteve melhoria de 85,5% do ganho pelo trabalho. Para os que se dizem brancos, o crescimento de renda foi de 47,6%.

Segundo o presidente do Ipea, a desigualdade mundial de renda caiu em grande parte devido o crescimento da China, bastante expressivo ao longo das últimas décadas, e da Índia, sobretudo nos anos 1990 e 2000. “Por mais que a desigualdade dentro desses e de outros países esteja crescendo, o avanço econômico e a melhoria de renda das suas populações têm causado o efeito mundial, pois esses países abrigam metade dos pobres do mundo”, frisou Neri.

Fonte: Site IPEA

O jeito Mujica de ser parte 2: entrevista é na rua dentro de um fusca!!!!

O presidente do Uruguai, o comunista José Mujica, em sua entrevista de um ano de governo foi feita na rua, no caminho de sua chácara, dentro do seu fusca (seu primeiro e único carro), indo comprar gasolina para aprender a manusear uma retroescavadeira. Enquanto isso, no Brasil, entrevista com presidentes e políticos da “alta estirpe” é como se fosse um evento interplanetário.

segue a entrevista…

Protestar é preciso: protestos criativos são a onda da vez! O Agronegócio matou a Branca de Neve!!!

Em tempos da excessiva midiatização da vida, os protetos tradicionais, aqueles de juntar o máximo de pessoas e ocupar as ruas fica cada vez mais em desuso no Brasil, pois tem cada vez menos espaço nos jornalões e nas TVsGrobais. Feliz ou infelizmente, é isso que vem ocorrendo. Quem tem conhecimento desse tipo de manifestação, são os motoristas e transeuntes que circulam e se irritam (na maior parte das vezes).

Mas isto também ocorre em função de que, mesmo havendo críticas e mais críticas aos jornalões e TVs, a população brasileira potencializa geometricamente a legitimidade deste meios de comunicação a cada dia, hora, momento da vida que se passa. Estranho ou não, passou na TV, seja falando bem ou mau, ganha notoriedade e a ação popular ganha legitimidade. Do contrário, é mais um bando de arruaceiros que não tem o que fazer da vida.

A não ser que sejam 5 mil, 10 mil pessoas ocupando ruas e praças para se manifestar ou então que ocorra na Europa. Mas no Brasil??!!! Nem estudantes em São Paulo ou Rio de Janeiro conseguem juntar tantas pessoas assim. E por quê? É simples, uma juventude que a cada dia que passa se torna cada vez mais “umbilical”, ou seja, o “meu umbigo” é o mais importante e melhor para o mundo. Ouvir, escutar, debater, dialogar, reconhecer o outro, outorgar liderança a outrem, se colocar como liderança (virar vidraça), respeitar o coletivo e estabelecer parcerias para quê? A minha é melhor e pronto!!! Mas não vamos jogar a água com a criança fora, esse é um processo que vem sendo produzido a mais de 20 anos, desde meados da década de 90, mas que pode e com certeza irá regredir (a esperança é a ultima que morre).

Mas voltemos a vaca fria. Neste contexto, cada dia que passa, as manifestações passam a ser realizadas de forma mais criativas e cada vez com menos pessoas. Se dão resultado? Digamos que é uma forma dita viável de ser ouvido e visto hoje em dia. Digamos que ser ouvido e visto é aparecer para muitas pessoas. Mas enfim, em tempos de FB, TVs e Jornalões, a pouca importância e quantidade de Blogs faz deste mundo brasileiro, um mundo ainda muito centralizado e centralizador.

Para melhor entendimento, segue uma “MANIFESTAÇÃO” que ocorreu dia 16 no RJ, no dia mundial da alimentação, e que foi amplamente divulgado nas redes sociais. O agronegócio matou a Branca de Neve.

Repensar as formas de se fazer mundo é preciso!!!

Foto: Blog do Tarso

Para os que não entenderam a foto: olhe bem…as maças…os agrotóxicos…o agronegócio….!!!!!!

Você come comida? sim!! a tá… acredito!!!? e você acredita?

Veja a lista do que você esta comendo. Lista de produtos químicos que estão sendo utilizados normalmente no Brasil, mas que a ANVISA esta pensando em proibir. Esta lista é uma EXCEÇÃO a regra, pois a grande maioria dos agrotóxicos não estão sendo questionados.

Desde 2008, 14 substâncias químicas estão na mira da Anvisa. Destas, quatro foram ou devem ser retiradas do mercado, mas nos demais casos, a discussão pouco avançou. Confira quais são as substâncias, o que causam, a situação atual sobre sua discussão e em que países já são proibidas:

Abamectina

Toxicidade aguda e suspeita de toxicidade reprodutiva; Ainda não foi discutida; única substância não proibida pela União Europeia.

Acefato

Neurotoxicidade, carcinogenicidade e toxicidade reprodutiva; Já houve consulta pública para seu banimento, mas decisão não foi publicada; União Europeia.

Carbofurano

Alta toxicidade aguda e desregulação endócrina; Ainda não houve consulta pública; União Europeia e EUA.

Cihexatina

Alta toxicidade aguda, carcinogenicidade para seres humanos, toxicidade reprodutiva e neurotoxicidade; retirado do mercado em novembro de 2011; União Europeia, Japão, EUA e Canadá.

Endossulfam

Alta toxicidade aguda, desregulação endócrina e toxicidade reprodutiva; Será retirado do mercado em julho de 2013; União Europeia e Índia.

Forato

Alta toxicidade aguda e neurotoxicidade; Já houve consulta pública, mas não foi publicada decisão; União Europeia e EUA.

Fosmete

Neurotoxicidade; já houve discussão e produto será mantido no mercado com restrições; União Europeia.

Glifosato

Intoxicação (há solicitação de revisão da Ingesta Diária Aceitável (IDA) por parte de empresa registrante, necessidade de controle de impurezas presentes no produto técnico e possíveis efeitos toxicológicos adversos); Não houve consulta pública; Em revisão pela União Europeia.

Lactofem

Carcinogênico; não houve consulta pública; União Europeia.

Metamidofós

Alta toxicidade aguda e neurotoxicidade; Foi retirado do mercado em julho deste ano; União Europeia, China e Índia.

Paraquate

Alta toxicidade aguda e toxicidade; Não houve consulta pública; União Europeia.

Parationa Metílica

Neurotoxicidade, desregulação endócrina, mutagenicidade e carcinogenicidade; já houve consulta pública, mas decisão não foi publicada; União Europeia e China.

Tiram

Mutagenicidade, toxicidade reprodutiva e desregulação endócrina; não houve consulta pública; EUA.

Triclorfom

Neurotoxicidade, potencial carcinogênico e toxicidade reprodutiva; retirado do mercado em 2010; União Europeia.

Fonte: Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

TCU diz que UFES é a quarta Universidade Federal com maior número de servidores com mais de um emprego

Em matéria publica hoje na Folha de São Paulo, intitulada “Universidade federal permite até triplo emprego, diz TCU”, onde aponta que o Tribunal de Contas da União (TCU) através de uma auditoria pente-fino nas Universidades Federais, identificou mais de 3000 mil servidores com DEDICAÇÃO EXCLUSIVA com outro trabalho remunerado ou dupla jornada de trabalho, por exemplo, servidores com 80 horas de trabalho semanal.

Segundo os dados publicados na Folha, o caso que mais chama atenção é o da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), onde foram encontrados 664 servidores (professores e técnicos) com um segundo emprego irregular, o que equivale a 7% do efetivo, incluindo pensionistas. Uma situação de absoluto descaso com a máquina pública e a legalidade da profissão.

Na UFES, o caso não é muito diferente, segundo o gráfico abaixo, a Universidade esta com 317 casos identificados pelo TCU, sendo a quarta colocada em número de irregularidades.

Mas a desculpa dos servidores (professores e técnicos) será sempre a mesma: “meu salário é muito baixo, é muito pouco, não tem como não ter outro emprego?” – Bom, ninguém esta dizendo que é muito ou pouco, mas que é um ato de improbidade administrativa. Aqueles que querem outra atividade profissional para aumentar sua renda que abram mão da Dedicação Exclusiva ou que procurem outra forma de trabalho. Ou então, participem ativamente dos processos de reivindicação salarial, como a greve deste ano (que sinceramente, não vi e não conheço nenhum docente que tenha participado ativamente do comando de greve e tenha duplo emprego).

Mas vale salientar que muitos destes questionamentos sobre a dupla jornada de trabalho ou “quebra” da DE são falhas de leitura do próprio TCU, como ocorrido comigo em 2011, quando este orgão me questionou sobre duplo emprego público, sendo que o outro suposto emprego seria uma função de professor substituto no Paraná (na UNICENTRO) em 2009 (assumi na UFES em junho de 2010), mas que já havia findado o contrato em 2009 mesmo, no entanto o TCU não havia lido de forma atenta a este encerramento de contrato. Desfeito o mal entendido, ficou a incompetência do TCU  e mais um número nesta lista que apresento logo abaixo.

A Grande Vitória é a 17° região mais violenta do MUNDO!!!

Segundo informações disponibilizadas pelo Consejo Ciudadano para la Seguridad Pública y la Justicia, em 2011, a capital capixaba registrou uma taxa de 67,82 de mortes para cada grupo de 100 mil habitantes, sendo que no ano de 2011, foram 1.143 casos de homicidio, ficando na 17 posição da região mais violenta do mundo (considerando os municípios e RM com mais de 300 mil habitantes).

O caos esta instalado. Enquanto isso na sala de justiça, PH (o dono do ES), Casagrande e os prefeitos da Região Metropolitana (RM) prometem, prometem e prometem saídas e soluções que nunca acontecem.

Mas não vamos jogar toda a culpa na baixa politicagem capixaba. A violência é um fato americano, segundo esta avaliação, 45 dos 50 municípios mais violentos se situam no continente americano e 40 estão na América Latina. Ou seja, é o modelo de desenvolvimento, modelo de cidade, de capitalismo, de relações sociais, enfim, o modelo de sociedade americano tem nos levado a esta situação catastrófica.

Mas vale salientar que das 50 regiões metropolitanas mais violentas, 14 estão no Brasil, e A GRANDE VITÓRIA fica atrás (no Brasil) apenas de Maceió (3°) e Belém (10°), ou seja, somos a terceira região mais violenta do país. Lembrando que ficamos na frente de Salvador (22º), Manaus (26º); São Luis (27ª); João Pessoa (29º); Cuiabá (31°); Recife (32ª); Macapá (36º); Fortaleza (37°).

A questão que fica é: Como pode um ex-secretário de segurança pública ganhar as eleições na maior cidade do Estado? É assinar embaixo para o aumento de um modelo de sociedade que privilegia outras coisas que não a população..seu bem estar…seus espaços de convivência…a vida…