Carro movido a café entra para Guinness Book por alta velocidade

Débora Spitzcovsky 26 de fevereiro de 2013

carro-cafe-e1361570422926

Não, o café não serve só para te manter acordado naqueles dias em que ficar de olho aberto no trabalho ou na aula está difícil. O grão também é capaz de nos locomover de um lugar para outro – e, melhor ainda, fazer a gente chegar mais rápido ao nosso destino. Desenvolvido pelo britânico Martin Bacon, o Coffee Car funciona a base do alimento e acabou de entrar para o Guinness Book por seu alto desempenho de velocidade.

O recorde foi atingido em um campo de aviação localizado na cidade de Manchester, na Inglaterra. O Coffe Car – uma pick-up da Ford de 1989, modelo P100, adaptada com um sistema gaseificador para conseguir se movimentar a base de café – atingiu 110km/h. A velocidade é um marco para um modelo adaptado desse tipo. (Confira outros 10 recordes da sustentabilidade que estão no Guinness Book)

A façanha consagrou ainda mais o carro, que já era destaque por seu combustível inusitado. Quem já torceu o nariz pensando no impacto do aumento da produção do grão para uso automobilístico, pode desfazer a cara feia: o modelo desenvolvido por Bacon utiliza a casca do café – ou seja, os resíduos da produção da bebida – para se locomover, o que significa que a invenção pode ajudar a reduzir a produção de lixo.

Funciona assim: o sistema gaseificador instalado no Coffee Car queima os resíduos orgânicos em alta temperatura. Como resultado, o carro gera gases combustíveis – como monóxido de carbono e hidrogênio –, que alimentam o motor de combustão adaptado do veículo, fazendo ele se locomover.

Curtiu a invenção? Pena que, assim como a gasolina, o preço do combustível de café pode inflacionar, já que pesquisas mostram que o grão ficará cada vez mais caro por conta do aquecimento global.

Foto: Revista Super Interessante – http://super.abril.com.br/blogs/planeta/carro-movido-a-cafe-entra-para-guinness-book-por-alta-velocidade-2/?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_super
e Reprodução/Youtube

Lindbergh Farias fala o que Aécio não falou

Quando da minha época de universitário, na década de 90, esse distinto senhor, Lindbergh faria, foi presidente da UNE, pelo PCdoB, foi um dos líderes do movimento Fora-Collor. De lá pra cá, saiu do seu partido do período estudantil, teve uma breve passagem pelo PSTU e acabou se instalando no PT. Partido este, que o transformou num dos políticos mais presentes no senado brasileiro.

Foi prefereito de Nova Iguaçu (RJ), onde foi considerado um dos melhores prefeitos que o município já teve pelos seus moradores. Chegou a ter mais de 80% de avaliação positiva. Como consequência se candidatou e foi eleito senador, ainda mesmo sendo prefeito.

Com a palavra: Senador Lindbergh Farias