Documentário ‘O veneno está na mesa’, do cineasta Silvio Tendler

Em comemoração a publicação do decreto 7.794, que institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, nesta terça feira, dia 20 de agosto de 2012, sugiro assistir o filme ‘O veneno está na mesa’.

Política esta, que chega atrasada  pelo menos uns 10 anos, mas antes tarde do que nunca. Agora é como será que vai sair do papel, vira orçamento, se transforma em ação pública e chega em quem realmente produz e consome alimentos agroecológicos.

Agora não dá pra continuar com essa politica de meia pataca de estimular meia dúzia de agricultores em cada município. Vamos para uma política que realmente faça do agroecológico, uma ação de massa.

Sonharrrr, não custa nadaaa…..como dizia o poeta….

Anúncios

Será que Beto Richa come alimentos orgânicos?

É ultrajante. Enquanto na Alemanha, país altamente industrializado, obrigam, isso mesmo, obrigam via lei, que supermercados tenham 30% de tudo que é comercializado em produtos orgânicos. A questão é: por que um pais tão atrasado tecnologicamente como é o Brasil, que precisa de um país-continente para produzir, aquém do que é possivel, de ração de gado (soja), álcool e carne, agora tem o PSDB querendo inviabilizar a produção agroecológica no Paraná, e quiça no Brasil.
Será que o Beto Richa não come alimentos orgânicos e talvez proíba seus filhos de comerem? Será?
Segue o MANIFESTO A FAVOR DA AGROECOLOGIA NO PARANÁ
CONTRA O VETO DO GOVERNADOR AO PROJETO DE LEI Nº 403/11
O mundo vive um momento crítico no aspecto socioambiental. A realização da Rio+20, em 2012, no Brasil, ressalta a necessidade de priorizar políticas públicas sustentáveis. A Agroecologia é uma estratégia fundamental para a construção de uma sociedade sustentável, solidária e saudável.
Contrária a essa tendência, no mês de abril passado, o governador Beto Richa vetou o Projeto de Lei nº 403/11 que incentiva a implantação de sistemas de produção agroecológica e orgânica pelos agricultores familiares no Estado do Paraná. Este PL foi construído pelo conjunto das entidades da sociedade civil – após sucessivas e amplas reuniões e audiências públicas. Contou com o envolvimento direto das instituições públicas estaduais e foi pautado no Programa Paraná Agroecológico, referendado pelo próprio Governo Estadual, em 2011. Após a sua discussão e aprovação nas diversas Comissões, em especial na Comissão de Constituição e Justiça – que o julgou pela constitucionalidade – obteve aprovação unânime da Assembléia Legislativa Estadual do Paraná.
A justificativa apresentada pelo governador Beto Richa para o veto – além de equivocada – é descabida, inoportuna e parcial, pois atribui importância somente ao agronegócio e ignora o papel da agricultura familiar, enquanto produtora de 70% dos alimentos consumidos para a população. Além disso, desconsidera a importância da Agroecologia e da produção orgânica como estratégia do
desenvolvimento rural sustentável e da promoção da saúde da população. Lamentável, portanto, o governador Beto Richa vetar o PL considerando-o “…inconstitucional e contrário ao interesse público”.
A partir do exposto, as entidades abaixo mencionadas conclamam para manifestação contrária ao veto do governador do Paraná, por meio de envio de mensagens, betoricha@betoricha.com.br, vicegov@ccivil.pr.gov.br, durvalamaral@ccivil.pr.gov, nortigara@seab.pr.gov.br.br, traiano@pr.gov.br, dep.welter@pr.gov.br, vrossoni@hotmail.com, e participação na sessão plenária da Assembléia Legislativa do Paraná, no dia 15 de maio, a partir das 14h30m.
RETIRE O SEU VETO, BETO!
Articulação Nacional de Agroecologia (ANA-AGROECOLOGIA)
Associação Brasileira de Agroecologia (ABA)
Associação para o Desenvolvimento de Agroecologia (AOPA)
Associação dos Consumidores de Produtos Orgânicos do Paraná (ACOPA)
Comitê Paranaense da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida
Centro de Cooperativas Agroecológicas (CCA-MST)
Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional do Paraná (CONSEA-PR)
Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA/PR)
Conselho Regional de Nutricionistas 8ª Região (CRN8 – PR)
Diretório Central de Estudantes (DCE/UFPR)
Federação de Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB)
Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN)
Rede Ecovida da Agroecologia
Rede Puxirão de Povos e Comunidades Tradicionais
Serviço de Assessoria Jurídica Universitária Popular (SAJUP)
Sindicato dos Engenheiros do Paraná (SENGE)
Terra de Direitos
Universidade Federal do Paraná – Litoral
Universidade Federal do Paraná – Dnut
União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (UNICAFES)

Feira livre de produtos orgânicos na Praça do Papa (Vitória/ES) terá início nesta quarta-feira (21)

Via site da SEAG

O Governo do Espírito Santo, por meio da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), em parceria com a Prefeitura de Vitória, vai inaugurar nesta quarta-feira (21), a quinta feira livre da Grande Vitória especializada na comercialização de produtos orgânicos. A nova unidade funcionará às quartas-feiras no estacionamento da Praça do Papa, em Vitória, a partir das 17 horas.

O novo espaço contará com 22 barracas padronizadas, equipadas com balanças digitais e caixas plásticas para armazenamento e transporte dos produtos. O investimento da Seag na aquisição dos materiais foi de R$ 68,3 mil e a Prefeitura de Vitória arcará com serviços de limpeza, segurança e iluminação para o funcionamento da feira.

“Nosso objetivo é criar cada vez mais espaços de comercialização de produtos saudáveis, capazes de ofertar alimentos de qualidade à população com preços justos e de gerar mais renda e oportunidades no meio rural. As feiras livres são uma boa alternativa, pois elas não têm o papel do intermediário e permitem o contato direto entre produtor e consumidor”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli.

Ao todo 40 produtores de alimentos orgânicos dos municípios de Santa Maria de Jetibá e Iconha vão ocupar o espaço para comercializar aproximadamente 70 itens, com destaque para as hortaliças em geral, frutas, produtos da agroindústria caseira (pães, biscoitos, bolos, doces, geleias). Outro destaque fica por conta das flores e plantas medicinais.

A feira livre de produtos orgânicos é uma estratégia da Seag e parceiros para criar novos espaços e ampliar e produção e a comercialização para os agricultores orgânicos. Comercializar bem estimula o crescimento da produção e a adesão de novos agricultores ao sistema orgânico de produção. Espaços como esse também estabelecem o contato e a venda direta ao consumidor, reduzindo custos de logística e comercialização, fazendo com que os produtos sejam vendidos com preços acessíveis.

Inicialmente, a expectativa de comercialização semanal é de seis toneladas de alimentos orgânicos, gerando um faturamento mensal aos produtores de R$ 104 mil.

Outras feiras livres de orgânicos

Além da nova feira livre de produtos orgânicos que irá funcionar na Praça do Papa, outras quatro trabalham periodicamente na Grande Vitória. São as do Barro Vermelho (Vitória), de Valparaiso (Serra), da Praia da Costa (Vila Velha), e de Campo Grande (Cariacica).

Barro Vermelho (Vitória) – 18 barracas Funcionamento aos sábados, das 5h às 12 horas

Valparaiso (Serra) – 20 barracas Funcionamento às terças-feiras, das 17h às 21 horas

Praia da Costa (Vila Velha) – 20 barracas Funcionamento aos sábados, das 5h às 12 horas

Campo Grande (Cariacica) – 12 barracas Funcionamento das 5h às 12 horas

Agricultura orgânica capixaba

Atualmente, no Espírito Santo, 200 propriedades rurais estão certificadas para a produção de alimentos orgânicos. Somadas, são aproximadamente quatro mil hectares ocupados com os cultivos, principalmente de olerícolas (250 t/mês), frutas (mil t/mês) e café beneficiado, com oito mil sacas por ano.

“Para 2012, a Seag, em parceria com outras instituições, trabalha para concluir o processo de certificação de outras 100 propriedades. Além destas, mais 1,3 mil propriedades no Estado adotam práticas específicas da agricultura orgânica e possuem potencial para certificação, o que pode ampliar a área de cultivo em 5,4 mil ha e a produção em 2,5 mil t/mês de produtos”, destaca o gerente de Agricultura Orgânica da Seag, Decimar Schultz.

Principais produtos orgânicos do ES

Abobrinha, abóbora madura, agrião, aipim, alface, banana prata, banana da terra, batata doce, batata inglesa, brócolis, cachaça, café, cebolinha, cenoura, chuchu, coentro, couve folha, couve flor, espinafre, ervilha, inhame, laranja, mamão, manga, milho verde, morango, ovo caipira, pepino, quiabo, repolho verde, salsa, tomate e vagem.

Informações à Imprensa Gerência de Informação e Análise/Seag Léo Júnior Tel: 27 3636-3700 / 3651 / 9942-9616