Fernando Haddad e Marcio Pochmann: perfil de uma nova política no Brasil!!?

Com as candidaturas de Fernando Haddad (PT), em São Paulo, e de Márcio Pochmann (PT), em Campinas, começamos a visualizar um outro perfil de se fazer política. Somando-se a já presidente Dilma Roussef.

Ambos são dois quadros técnicos, mas com uma forte veia política, do PT, que se criaram produzindo e trabalhando nas universidades de SP, mas sempre atuando partidariamente.

Candidaturas construídas pelo ex-presidente Lula, foram avaliadas como inviáveis e impossíveis de convencer a população. Haddad saiu dos 4% e chegou aos 55% no segundo turno. Em 4 meses se transformou em um dos grandes fenômenos da política brasileira, ou como dizem: foi o segundo poste eleito no Brasil da era Lula!!!!!

A expectativa é que Haddad mude a forma de fazer política, assim como a Dilma tem se esmerado para fazer.

Se tudo seguir como pensado, por Lula, Haddad será o futuro governador de SP e o futuro presidente do Brasil em 2018. Aí sim estaremos adentrando em uma outra forma de fazer política.

Espero, sinceramente, que estes ares paulistanos sejam espraiados para todos os cantos do país. Que o Estado do Espírito Santo, seja agraciado com esta nova forma de fazer política. Que venham os novos tempos!!! É o que espero!!

Protestar é preciso: protestos criativos são a onda da vez! O Agronegócio matou a Branca de Neve!!!

Em tempos da excessiva midiatização da vida, os protetos tradicionais, aqueles de juntar o máximo de pessoas e ocupar as ruas fica cada vez mais em desuso no Brasil, pois tem cada vez menos espaço nos jornalões e nas TVsGrobais. Feliz ou infelizmente, é isso que vem ocorrendo. Quem tem conhecimento desse tipo de manifestação, são os motoristas e transeuntes que circulam e se irritam (na maior parte das vezes).

Mas isto também ocorre em função de que, mesmo havendo críticas e mais críticas aos jornalões e TVs, a população brasileira potencializa geometricamente a legitimidade deste meios de comunicação a cada dia, hora, momento da vida que se passa. Estranho ou não, passou na TV, seja falando bem ou mau, ganha notoriedade e a ação popular ganha legitimidade. Do contrário, é mais um bando de arruaceiros que não tem o que fazer da vida.

A não ser que sejam 5 mil, 10 mil pessoas ocupando ruas e praças para se manifestar ou então que ocorra na Europa. Mas no Brasil??!!! Nem estudantes em São Paulo ou Rio de Janeiro conseguem juntar tantas pessoas assim. E por quê? É simples, uma juventude que a cada dia que passa se torna cada vez mais “umbilical”, ou seja, o “meu umbigo” é o mais importante e melhor para o mundo. Ouvir, escutar, debater, dialogar, reconhecer o outro, outorgar liderança a outrem, se colocar como liderança (virar vidraça), respeitar o coletivo e estabelecer parcerias para quê? A minha é melhor e pronto!!! Mas não vamos jogar a água com a criança fora, esse é um processo que vem sendo produzido a mais de 20 anos, desde meados da década de 90, mas que pode e com certeza irá regredir (a esperança é a ultima que morre).

Mas voltemos a vaca fria. Neste contexto, cada dia que passa, as manifestações passam a ser realizadas de forma mais criativas e cada vez com menos pessoas. Se dão resultado? Digamos que é uma forma dita viável de ser ouvido e visto hoje em dia. Digamos que ser ouvido e visto é aparecer para muitas pessoas. Mas enfim, em tempos de FB, TVs e Jornalões, a pouca importância e quantidade de Blogs faz deste mundo brasileiro, um mundo ainda muito centralizado e centralizador.

Para melhor entendimento, segue uma “MANIFESTAÇÃO” que ocorreu dia 16 no RJ, no dia mundial da alimentação, e que foi amplamente divulgado nas redes sociais. O agronegócio matou a Branca de Neve.

Repensar as formas de se fazer mundo é preciso!!!

Foto: Blog do Tarso

Para os que não entenderam a foto: olhe bem…as maças…os agrotóxicos…o agronegócio….!!!!!!