Mais privatizações estão previstas para setembro nos portos e aeroportos

Acho que Renato Russo estava certo: “O Brasil vai ficar rico quando vender todas as almas dos nossos índios em um leilão.”

Publicado no site da Radio Agência
qua, 29/08/2012 – 16:19 — Vivian
Está previsto para setembro o plano com as medidas de concessões de portos e aeroportos estatais do país, segundo informou o presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo. A EPL é uma agência reguladora criada para acompanhar as privatizações.

Esta iniciativa se soma ao plano de concessões de estradas e ferrovias, lançado em agosto, em que foram privatizados 7,5 mil quilômetros de rodovias e 10 mil quilômetros de ferrovias. Neste caso, os investimentos previstos são de R$ 133 bilhões, sendo 80% bancado pelo BNDES.

Este ano, os aeroportos de Guarulhos (São Paulo), Viracopos (Campinas) e Brasília já foram privatizados. O leilão ocorreu em fevereiro e arrecadou R$ 24,5 bilhões no total. O modelo adotado incentivou o maior preço e não criou exigências de entrada. À época, o diretor do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Francisco Lemos, criticou as concessões.

“Esse é um modelo de neoliberalismo, de financiamento e lucratividade alta, que a gente percebe, claramente, que não traz resultado. O resultado é muito pouco para a sociedade. E ficamos perguntando novamente: o Estado está a serviço de que? Da lucratividade ou do resultado de serviço e governabilidade para a sociedade?”

Para o sociólogo César Sanson, comentarista da Radioagência NP, apesar do governo federal recusar o rótulo de privatização, é disso que se tratam as concessões.

“O fato incontestável, entretanto, é que ‘concessão’ é um eufemismo para ‘privatização’. No modelo de Parceria Público-Privada (PPP), o Estado realiza os investimentos e repassa a exploração para a iniciativa privada. No caso da pura e simples privatização, o Estado vende os ativos para o setor privado.”

Requião denuncia o PT Privatista: que inveja o PSDB deve estar, heim!

Senador Roberto Requião, que não é do PT, não é do PSOL, não é do PSTU, mas faz parte como ele mesmo gosta de dizer, é do MDB Velho de Guerra. Um democrata que assume a posição de que o Estado deve ter presença de mando na infraestrutura, na saúde, educação, segurança pública, etc etc etc….inclusive nas TVs educativas…entre outros.

O Estado não é um suporte para o capital, mas o centro para dar suporte a vida, aos indivíduos, as coletividades, aos movimentos sociais, ao mercado local…e não ao capital internacionalizado e transnacionalizado.

Num discurso histórico, traz a tona a vergonha com que as privatizações estão sendo reutilizadas pela Tia Dilma.

Vídeo postado no Blog do Tarso.

PT Privatista e NeoLiberal ressurge das catapultas da tucanagem

Por André Michelato

Segundo matéria d’O GLOBO, o Governo Dilma, “em um esforço que superou as previsões mais ousadas da iniciativa privada, anunciou ontem o que chamou de o maior plano de investimentos em transportes da história, envolvendo a concessão de ferrovias e rodovias à iniciativa privada.”

Este Programa de Investimentos em Logística prevê investimentos de R$ 133 bilhões até 2037. Isto mesmo, até 2037!!!

Dilma, a Chefona, chama isso de concessão, mas o que dizer de uma concessão de mais de 25 anos? É o mesmo caso que ocorreu nas rodovias no Estado do Paraná, quando Jâime Lerner (o mafioso) as privatizou, quer dizer, desculpe-me, fez a concessão. Mas é que na época, a PTzada (que até então me dizia um deles) destroçou e se rebelou agressivamente contra tal atitude.

Pois bem, mas em menos de 15 anos depois, o PT é elogiado pelo PSDB, em função da grandiosa atitude de PRIVATIZAR os caminhos de ir e vir do povo brasileiro.

Ainda tem mais, segundo informações palacianas, o governo exigirá dos vencedores da privataria que invistam R$ 79,5 bilhões nos próximos cinco anos. Alguém aí sabe me dizer de onde virá esse dinheiro? não, como não?!! A resposta deveria ser automática e imediata: dos caixas do governo, dos nossos impostos, via BNDES.

Mas não acaba por ai: a matéria do jornal O GLOBO ainda chama atenção para o fato de que “o anúncio do programa foi feito pela presidente Dilma Rousseff para empresários que movimentam boa parte do PIB do país.” Bom, alguns pensariam, mas porque para esses caras? é simples, eles são os principais FINACIADORES DE CAMPANHA no Brasil. Capiche?

É mais uma forma de repetir, copiar, reproduzir o que os partidões a mando do capital fazem: liberam dinheiro e se perpetuam no poder até que os chefões da máfia brasileira os queiram.

A fórmula é simples, mas a conta é cara.